MEDITANDO NO TRABALHO MISSIONARIO

Depois disto ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Então disse eu: Eis-me aqui, envia-me a mim.

Isaías 6:8

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

A Divine Cordial (“Um Tônico Divino”) de Thomas Watson



Trecho da obra A Divine Cordial (“Um Tônico Divino”), de Thomas Watson,
publicada pela primeira vez em 1663.

“Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o Seu propósito.” (Romanos 8.28)


2. As promessas de Deus cooperam para o bem do homem piedoso.
As promessas são anotações nas mãos de Deus; não é bom termos segurança? As promessas são o leite do evangelho; e não é o leite para o bem da criança? Elas são chamadas “preciosas promessas” (2Pe 1.4). Elas são tônicos para a alma que esta a ponto de desmaiar. As promessas são cheias de virtude.

Estamos nós sob a culpa do pecado? Há uma promessa, “o Senhor [é] compassivo e grande em misericórdia” (Êx 34.6), na qual Deus, por assim dizer, põe Seu glorioso bordado e estende Seu cetro de ouro para encorajar pecadores pobres e hesitantes a se achegarem a Ele. “O Senhor, misericordioso.” Deus está mais disposto a perdoar do que a punir. A misericórdia abunda em Deus mais do que o pecado em nós. Misericórdia é a Sua natureza. A abelha naturalmente produz mel; ela ferroa apenas quando é provocada. “Mas”, diz o culpado pecador, “eu não mereço misericórdia”. Ainda assim, Ele é gracioso: Ele demonstra misericórdia, não porque nós merecemos misericórdia, mas porque Ele se deleita na misericórdia. Mas o que isso significa para mim? Talvez meu nome não esteja entre aqueles que são perdoados. “Ele usa de misericórdia para milhares” (cf. Jr 32.18). A casa do tesouro da misericórdia não está falida. Deus tem muitas riquezas disponíveis, sendo assim, por que você não viria para tomar parte entre os Seus filhos?

Estamos nós sob a podridão do pecado? Há uma promessa que coopera para o bem: “Curarei a sua infidelidade” (Os 14.4). Deus não apenas concederá misericórdia, mas também graça. E Ele fez uma promessa de enviar o Seu Espírito (Is 44.3), o qual, por Sua natureza santificadora, é às vezes comparado nas Escrituras à água que limpa o vaso; à peneira que joeira o milho; às vezes, ao fogo que refina o metal. Assim, o Espírito de Deus há de purificar e consagrar a alma, tornando-a participante da natureza divina.

Estamos nós em grande tribulação? Há uma promessa que coopera para o bem: “Na sua angústia eu estarei com ele” (Sl 91.15). Deus não leva o Seu povo à tribulação e os deixa lá. Ele os acompanhará; Ele sustentará suas cabeças e seus corações quando eles estiverem desmaiando. E há outra promessa: “Ele é a sua fortaleza no dia da tribulação” (Sl 37.39). “Oh”, diz a alma, “eu hei de desmaiar no dia da aflição.” Mas Deus será a força do nosso coração; Ele trará as Suas forças para junto de nós. Ou ele fará a Sua mão mais leve, ou tornará a nossa fé mais forte.

Tememos nós necessidades exteriores? Há uma promessa: “Aos que buscam o SENHOR bem nenhum lhes faltará” (Sl 34.10). Se for bom para nós, haveremos de tê-lo; se não for bom para nós, então será retido, e isso será para nosso bem. “Eu abençoarei o vosso pão e a vossa água” (Êx 23.25). Essa benção cai como doce orvalho sobre a folha; ela adoça o pouco que possuímos. Deixe-me ter necessidade, para que eu possa ter a benção. Mas temo eu não ter um meio de subsistência? Examine as Escrituras: “Fui moço e já, agora, sou velho, porém jamais vi o justo desamparado, nem a sua descendência a mendigar o pão” (Sl 37.25). Como nós devemos entender tal declaração? Davi fala a respeito disso como a sua própria observação; Ele nunca contemplou tal eclipse, ele nunca viu um homem piedoso tão rebaixado ao ponto de não ter um bocado de pão para colocar na boca. Davi nunca viu o justo e a sua descendência em falta. Embora o Senhor possa provar pais piedosos por um tempo, pondo-os em necessidade, ele não fará o mesmo com a descendência dele; a descendência dos piedosos será provida. Davi nunca viu o justo mendigando pão, ou desamparado. Embora ele possa ser posto em grande aperto, ele não é desamparado; ele ainda é um herdeiro do paraíso, e Deus o ama.

Pergunta: Como as promessas cooperam para o bem?
Resposta: Elas são alimento para a fé, e aquilo que fortalece a fé coopera para o bem. As promessas são o leite da fé; a fé suga delas os nutrientes, como a criança os suga do peito. “Jacó teve medo e se perturbou” (Gn 32.7). Seu espírito estava prestes a desmaiar, e agora ele vai para a promessa: “E disseste: Certamente eu te farei bem” (Gn 32.12). Essa promessa foi o seu alimento. Ele adquiriu tanta força dessa promessa que foi capaz de lutar com o Senhor a noite toda em oração, e não deixou Ele ir até que o houvesse abençoado.

As promessas são também fontes de alegria. Há mais nas promessas para nos dar conforto do que há no mundo para nos causar perplexidade. Ursino [1] foi confortado com esta promessa: “Da mão do Pai ninguém as pode arrebatar” (Jo 10.29). As promessas são tônicos para aqueles que estão desmaiando. “Não fosse a tua lei ter sido o meu prazer, há muito já teria eu perecido na minha angústia” (Sl 119.92). As promessas são uma rede para puxar o coração e impedi-lo de afundar nas águas profundas da angústia.

[1] Nota do Tradutor: Talvez, uma referência a Zacarias Ursino, um dos autores do Catecismo de Heidelberg. Você pode ler uma breve biografia a respeito dele no blog Reforma & Razão.
Por Thomas Watson. Original: A Divine Cordial By Thomas Watson
Tradução: voltemosaoevangelho.com

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

Leia mais: http://voltemosaoevangelho.com/blog/2012/05/thomas-watson-as-melhores-coisas-25/#ixzz2KdFP13fh

sábado, 9 de fevereiro de 2013

A IMUTABILIDADE DE DEUS



*Fabiano Rocha

Mas tu, SENHOR, permanecerás para sempre, a tua memória de geração em geração. Salmos 102:12 

Os atributos de Deus podem ser definidos como comunicáveis ou incomunicáveis. Os atributos incomunicáveis são aqueles em que Deus torna-se distinto de suas criaturas. São atributos dos quais nós não participamos. Diferente dos atributos comunicáveis. Os homens foram criados à imagem e semelhança de Deus. Com isso, possuímos aspectos do ser de Deus que foram comunicados a nós. Temos condições de amar, sermos pacientes, exercer justiça e sermos bondosos, mas não podemos ser onipresentes, onipotentes, oniscientes, nem independentes (autônomos). Essa divisão do ser de Deus não quer dizer que Ele seja divido, mas é um recurso didático que possibilita uma melhor noção da forma como Deus se revelou. Um dos atributos de grande evidência em tudo aquilo que Deus realiza, e que podemos caracterizá-lo como incomunicável é a sua imutabilidade. Esse aspecto do seu caráter revela que tudo o que Deus decretou está fundamentado em sua vontade soberana e que nada do Ele que planejou fazer carece de perfeição.

Deus é imutável não somente em seu ser, mas também em suas perfeições, propósitos e promessas. A marca registrada dos projetos e intentos humanos é a imperfeição, as mudanças de propósitos e a alteração de planos. Nós, com freqüência precisamos ponderar e voltar atrás muitas vezes. Isso por que nossos planos são marcados por nossa limitação, imperfeição e mutabilidade. Porém em Deus não há mudança nem sombra de variação. Tudo o que Ele planejou fazer e está executando, está plenamente de acordo com o seu ser e com o seu plano traçado desde a eternidade.

O salmista, no salmo 102, demonstra por meio de contraste o que também podemos chamar de inalterabilidade de Deus. O poeta coloca de um lado a terra e o céu e do outro a pessoa de Deus. E a conclusão que chega é a pura verdade: “em tempos remotos, lançastes os fundamentos da terra, e os céus são obras das tuas mãos. Eles perecerão, mas tu permaneces, todos eles envelhecerão como uma veste, como roupa os mudarás, e serão mudados. Tu, porém permaneces o mesmo, e os teus anos jamais terão fim”. Deus exorta o povo de Israel utilizando aspectos do seu próprio caráter imutável, quando diz por intermédio do profeta: “Porque eu, o Senhor, não mudo, por isso vós não sois consumidos” (Ml 3:6). Não havia outra razão para tanta paciência divina para com aquela nação que fora tão rebelde e obstinada. Quando lemos as narrativas históricas, vemos a longanimidade da parte de Deus para com eles. A maneira correta de se compreender aquela paciência em suportar tanta rebeldia não é olhando para os rebeldes e sim para o próprio ser de Deus. A única razão está na imutabilidade do Criador.

Essa verdade parece simples e abstrata ou até mesmo distante de uma relação prática para com tudo o que nos cerca e para com as nossas vidas. Mas imaginemos a possibilidade de Deus constantemente mudar de idéia. Ou se aquilo que prometeu há séculos atrás hoje não estivesse mais de pé! Que terror e que incerteza seriam para nós crermos em todas as suas promessas e planos. Mas não há essa possibilidade. Podemos ter a plena certeza de que tudo aquilo que Ele prometeu fazer irá cumprir e fazer acontecer de forma perfeita e imutável. Não somente porque vimos se cumprir no tempo muitas promessas feitas por Ele, mas porque Ele é perfeito e imutável.
Fabiano Rocha é pastor da Primeira Igreja Batista Reformada de Taguatinga-DF

ADOÇÃO (PARTE 2)


Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor, mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai. Romanos 8:15

A maioria das pessoas provavelmente nasceu em uma família amorosa, ao invés de ser adotado por uma. Mas no que diz respeito à família de Deus, tanto o nascimento quanto a adoção acontecem aos crentes de uma só vez. Qualquer eleito, quando crê em Jesus, nasce de novo e também é aprovado por Deus em Sua família. A palavra grega para “adoção” vem de duas palavras juntas: huios, que significa “filho”, e thesis, que significa “uma colocação”. Assim, a palavra significa “colocação em filiação”. A palavra grega é um termo jurídico que indica que aos crentes têm sido dado todos os privilégios legais de serem filhos na família de Deus. Quando Deus adota os crentes como Seus filhos, Ele coloca o Espírito de Seu Filho em seus corações para que se tornem, de fato, seus filhos natos. Como tal, eles não são apenas “adotados” (no sentido da que palavra agora transmite), mas verdadeiramente “gerados” por Deus. Deus faz “filhos de Deus” de “filhos dos homens” ( Rm 8:15; Gl 4:5; Ef 1:5).

De acordo com o Novo Testamento, todas as pessoas são pecadoras por natureza e, portanto, são chamados de “filhos da ira” (Ef 2:3). Mas pela graça de Deus, aqueles a quem Deus ama, tornam-se filhos de Deus (1 João 3:12). É do amor de Deus e também da obra do Filho de Deus que os crentes podem ser adotados na família de Deus. Enquanto os crentes são chamados filhos de Deus nas Escrituras (cf. Mt. 5:9; Rom. 8:14, 19; Gal. 3:26), o título “Filho de Deus”, quando usado para Jesus Cristo, refere-se a divindade de Cristo (Mat. 11:25-27; 16:16-17). Jesus Cristo é um em substância e glória com Deus Pai. Como a segunda Pessoa da Santíssima Trindade, Cristo é distinto do Pai como “o Filho unigênito.” Os crentes em Cristo, embora “adotados” como filhos de Deus, não são iguais com o Filho Divino. No entanto, através do trabalho do Filho, Deus tem aprovado os pecadores em sua família (Ef 1:4-6).
Através de Sua morte e ressurreição, Jesus destruiu o pecado e a sua pena de morte, e cobriu os crentes com a justiça necessária para o status de serem filhos de Deus. Os crentes são os beneficiários da obra de Cristo. Eles são transformados em herdeiros de Deus e se tornam co-herdeiros de Cristo (Rm 8:17). E como filhos de Deus, eles recebem o Espírito, que garante que eles são de fato filhos de Deus (Romanos 8:15; Gal. 4:6). Eles podem legitimamente chamar Deus: “Pai” (Rm 8:15-16). Embora os cristãos já estejam adotados na família de Deus (1 João 3:1), eles não irão sentir o que realmente significa ser filhos de Deus até que sejam ressuscitados dentre os mortos (Rm 8:21- 23). Só então os crentes receberão sua herança integral de seu Pai Divino, só então eles desfrutarão de viver permanentemente em Sua presença.”

Fonte: Holman Treasury of Key Bible Words de Eugene E. Carpenter e P h i l i p W . C o m f o r t . D i s p o n í v e l e m h t t p : / / bibliotecabiblica.blogspot.com.br/2009/12/doutrina-adocao-novo-testamento.html. 

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Compartilhe as Doutrinas da Graça!

Esta tabela - abaixo - foi desenvolvida com esta mentalidade, com o objetivo de tornar o estudo das doutrinas da graça algo prático. Lendo versículo por versículo, deixando que um verso ilumine o entendimento dos demais, e assim, chegando a uma compreensão do conselho bíblico sobre o assunto. Ela é, também, um incentivo a uma argumentação mais bíblica, e a deixar de lado a discussão estéril, baseada na opinião própria.

"Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, [...] ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado" - Mt 28v19-20.


BAIXE EM PDF OU JPG AQUI:
http://www.firelandmissions.com/#!as-doutrinas-da-graca/c1ffz

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

ALIVIANDO A FOME TEOLÓGICA NA ÁFRICA

disponivel em http://www.blogfiel.com.br/2013/01/aliviando-a-fome-teologica-na-africa.html#more-5877
por Vinícius Musselman Pimentel
Entrei recentemente para o time do ministério Fiel e estou cada vez mais surpreso com o empenho dessa equipe, não só em fazer um bom trabalho, mas sobretudo em apoiar a igreja de Deus, como afirma nossa missão. A Fiel não quer só publicar um livro e disponibilizá-lo apenas para quem tem dinheiro para comprar. Almejamos mais. Novamente, queremos apoiar a igreja de Cristo.
 Como fruto desse desejo de ver igrejas saudáveis, a Editora Fiel firmou uma parceria com o ministério 9 Marks (9 Marcas) e o The Gospel Coalition International Outreach (Alcance Internacional da Coalizão pelo Evangelho), com o propósito de aliviar a fome teológica na África. Cremos que a palavra de Deus é a verdade, independente da cultura, e, por isso, queremos enviar 300 kits para os seminários, as escolas bíblicas e as igrejas nos países lusófonos da África. O kit contém:
Eu desenvolvi esse guia de estudo e, por isso, estive em contato profundo com todo o curso e com o conteúdo das Nove Marcas. Estou convencido da sua importância tanto para as igrejas na África como no Brasil. Acredito ser uma mensagem muito importante, principalmente para esta geração que sabe tão pouco sobre o que Cristo deseja para a sua Igreja.

A situação nos países de fala portuguesa na África

 O Catolicismo Romano chegou na era colonial na África e rapidamente se misturou com as tradicionais religiões animistas africanas. Esse sincretismo e ecumenismo são muito comuns e põem em risco a visão bíblica do Evangelho e da verdadeira igreja de Cristo.
A Igreja no continente africano está crescendo significativamente em número, contudo a maioria dos líderes tem pouco ou nenhum treinamento formal. Ansiando crescer numericamente, muitos abandonaram a Palavra de Deus como o guia que nos ensina em como edificar a igreja de Deus.
Houve pouquíssimo investimento na formação de líderes sadios e o treinamento informal é o mais comum. Portanto, há poucos homens preparados para ensinar a verdade bíblica de forma saudável. Este recurso ajudará a atender a essa necessidade e a trazer um treinamento que, de outra forma, estaria indisponível.
Abaixo, segue o vídeo que está disponível no site to The Gospel Coalition sobre o projeto:

Com sua ajuda vamos mais longe

 Há tanto que queremos fazer e com sua ajuda conseguimos ir mais longe. Como eu oro para que este projeto ajude a transformar aqueles pastores e seus respectivos países! Junte-se conosco em oração e considere também doar. Com uma oferta de US$ 33,00, conseguimos enviar um kit completo.
Como o projeto está sendo gerenciado pelo TGC, os depósitos têm que ser feitos com cartão de crédito internacional. Sei dessa dificuldade. Se você quer ajudar, mas não tem essa opção, considere ajudar o programa Adote um Pastor. Conheça abaixo.

Programa Adote um Pastor

Adote um Pastor é um ministério cristão, cuja missão é tornar vidas e igrejas saudáveis através da capacitação ministerial de pastores em países de fala portuguesa ao redor do mundo. Para isso, promove o acesso à literatura fundamentada em sã doutrina, a fim de que pessoas e igrejas possam crescer e se firmar no conhecimento genuíno das Escrituras.

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

JESUS ENTROU NO SEU CORAÇÃO?


*Por Pr. Alexandre “Sacha” Mendes

“Jesus entrou no meu coração” e “Jesus limpou meu coração” são ideias comuns nas canções infantis evangélicas de hoje. Os adultos ensinam e as crianças cantam. Mas você já parou para pensar no que está por trás de frases assim? Em um mundo que se distancia cada vez mais de tudo o que a Palavra de Deus ensina, a apresentação do Evangelho ficou resumida a um conjunto de sentimentos momentâneos de uma rasa religiosidade Ocidenal. Entre outras coisas, falta estudo da Bíblia para compreender a natureza do coração humano. O resultado é gente convidando Jesus para entrar em um “lugar” desconhecido, para limpar uma suposta parte do corpo de significado místico. São pessoas que deixaram as canções de crianças, mas ainda vivem uma teologia infantil.

O coração é o centro de controle do Homem, de onde “depende toda a sua vida” (Pv 4.23). É lá que residem os pensamentos, intenções, crenças, desejos e atitudes. Esse centro do controle do homem também é chamado de mente, alma e espírito no Novo Testamento. De uma certa forma, são todos termos sinônimos, ou melhor, intercambiáveis (Ef 3.16, 17). Então, o coração faz referência ao homem interior como um todo. Tudo o que não pertence à composição física do homem faz parte do centro de controle, que é o homem interior (Mt 13.15).


Uma análise de diversas passagens bíblicas aponta o coração como centro de controle em três áreas principais: intelecto, afeição e vontade. Primariamente, o coração refere-se ao intelecto, que inclui pensamentos, crenças, lembranças, juízos, consciência e discernimento  (1 Rs 3.12; Mt 13.15; Mc 2.6; Lc 24.38; Rm 1.21; 1 Tm 1.5). Outra parte do centro de controle do homem é composta pelas afeições: os sentimentos ou emoções  (Dt 28.47; 1 Sm 1.8; Sl 20.4; 73.7; Ec 7.9; 11.9; Is 35.4; Tg 3.14;). A terceira área do coração é a vontade. A vontade é o aspecto da parte da pessoa interior que escolhe ou determina ações (Dt 23.15-16; 30.19; Js 24.15; Sl 25.12).

Porém, essas três características do coração não devem ser encaradas como entidades distintas e isoladas. O homem interior não pode ser entendido isolando suas divisões funcionais, mas na sua unidade de essência. Intelecto, afeição e vontade trabalham em cooperação mútua e não existem isoladamente. O coração é como um diamante com facetas distintas, chamadas de intelecto, afeição e vontade. Porém, todas fazem parte da mesma preciosidade: o coração. Portanto, a dinâmica do centro de controle humano envolve o pensamento como orientador do juízo de valores, que alimenta o desejo. Por sua vez, o desejo é resultado do direcionamento da vontade. E a rede de valores e desejos alimentam as afeições, que influenciam nas decisões. Essa é uma dinâmica tão difícil de descrever quanto de separar suas partes. Cada uma delas desempenha um papel importante na influência das demais.

Então, tudo o que é estudado com relação às diversas áreas da vida deve ser aplicado ao nível do coração, pois ele representa quem o homem verdadeiramente é (Pv 27.19). Meras mudanças comportamentais não irão promover transformação genuína na vida de ninguém. A transformação que agrada a Deus deve acontecer no nível do coração, é lá que está o real problema (2 Co 3.15) e o centro de controle de todo o homem. Somente um coração transformado pela graça de Cristo pode cumprir o propósito original da criação (2 Co 4.6).

A implicação dessa definição é que todo e qualquer problema do Homem está relacionado ao coração. Quem você irá amar mais: Deus ou a si mesmo? Somente o Espírito Santo, através da Palavra de Deus, pode revelar a verdade por trás de decisões tomadas no coração humano (Hb 4.12). Então, “Jesus entrou no seu coração”? “Jesus limpa seu coração”? Em outras palavras, quem está no comando? Jesus é Senhor sobre seus pensamentos, seus desejos e suas afeições? O Senhor Jesus está limpando seu coração num processo de renovação de sua mente? Sua vontade está direcionada para agradar a Deus? Suas emoções são despertadas pelo que é puro, santo, agradável, verdadeiro? Em outras palavras, santificação progressiva é uma realidade no nível de seu intelecto, vontade e emoção ou apenas uma doutrina de velhos e ultrapassados teólogos?

*Alexandre Mendes é conhecido como “Sacha” desde que se conhece como gente. Nascido em Belo Horizonte, cresceu em São Paulo capital e Atibaia. Sacha é formado em Economia pela Universidade São Paulo, Teologia pelo Seminário Bíblico Palavra da Vida, mestre em Aconselhamento Bíblico – M.A. – pelo The Master’s College (Santa Clarita, CA, EUA) e mestrado em Divindade – M. Div. – pelo Faith Bible Seminary (Lafayette, IN, EUA). É casado com a Ana desde junho de 2007 e pai do Pedro desde julho de 2009. Atualmente Sacha serve como pastor na Igreja Batista Maranata em São José dos Campos.

Veja mais em http://www.blogfiel.com.br/2013/01/jesus-entrou-no-seu-coracao.html?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+Blog_Fiel+%28Blog+Fiel%29

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

ADOÇÃO


Diz o capítulo 12 da CFB 1689, em seu primeiro tópico, sobre adoção:

“Em seu único Filho, Jesus Cristo, e, por causa dEle, Deus é servido fazer participantes da graça da adoção todos quantos são justificados. Por essa graça eles são recebidos no número dos filhos de Deus, e desfrutam das liberdades e privilégios dessa condição; recebem sobre si o nome de Deus; recebem o espírito de adoção; têm acesso com ousadia ao trono de graça, e clamam Aba, Pai; recebem compaixão, proteção, e a provisão de suas necessidades. E são castigados por Deus, como por um pai; porém, jamais são lançados fora, pois estão selados para o dia da redenção. E herdam as promessas, na qualidade de herdeiros da salvação eterna.”

A Bíblia de estudo de Genebra comenta sobre a adoção, baseada em GL 4:5, o texto abaixo.

Gálatas 4:5: “Para resgatar os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos”.

O dom da justificação, isto é, a presente aceitação por Deus, o Juiz do mundo, é acompanhada pelo dom da adoção, isto é, o dom de a pessoa poder tornar-se filho do Pai Celestial (Gl 3.26;4,4-7). No mundo de Paulo, a adoção se fazia comumente de jovens adultos, homens, de bom caráter, que se tornavam herdeiros e mantinham o nome da família de pessoas ricas que, de outro modo, não teriam filhos. Paulo, contundo, proclama a adoção graciosa de Deus, que adota indivíduos de mau caráter, para se tornarem herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo (Rm 8.17). A justificação é a benção básica sobre a qual se fundamenta a adoção; a adoção é a bênção culminante para a qual a justificação abre caminho. O status de adotado pertence a todos os que recebem Cristo (Jo 1.12). Em Cristo e através de Cristo, Deus ama seus filhos adotivos, como ama a seu Filho unigênito, e partilhará com eles a glória que Cristo usufrui agora (Rm 8.17, 38-39). Os crentes estão sob o cuidado e disciplina paternais de Deus (Mt 6.26; Hb 12.5-11). Eles devem orar a Deus que é seu próprio Pai do céu (Mt 6.5-34), expressando desse modo o instinto filial que o Espírito Santo implantou neles (Rm 8.15-17; Gl 4.6). 

Adoção e regeneração constituem duas realidades que permanecem juntas, como dois aspectos da salvação assegurada por Cristo (Jo 1.12-13), porém são realidades que devem ser distinguidas entre si. A adoção resulta num novo relacionamento, enquanto que a regeneração é uma mudança de nossa natureza moral. Contudo, a conexão entre elas é clara. Deus quer que seus filhos, a quem ele ama, tenham o seu caráter e, para isso,  ele toma providências.

Fonte: Bíblia de Estudos de Genebra, Notas Teológicas, página 1394.

A FRUSTRANTE BUSCA DO HOMEM PELA AUTOJUSTIFICAÇÃO


Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; Romanos 3:23
Pr. Fabiano Rocha.

Toda busca do homem pela autojustificação é uma clara rejeição à justiça de Deus, que se revela no evangelho. Todo tentativa humana no sentido de procurar ser aceito diante de Deus pelo seus próprios méritos ou tentar justificar-se pela obediência à lei, será frustrada. Quando a Escritura afirma que todos os homens pecaram e foram destituídos da glória de Deus, ela não está transmitindo somente a verdade de que os homens pecaram no passado distante, mas que essa é hoje a realidade que os cerca. O que Palavra de Deus traz é uma descrição categórica do gênero humano em todos os tempos. Os homens pecaram num passado distante, por meio do representante federal da raça humana, mas também continuaram e continuam pecando como fruto de sua condição natural, herdada, caída e depravada. A queda representa uma perda de toda justiça própria, bem como uma total incapacidade em readquiri-la. Há uma impossibilidade residindo em todas as áreas da condição natural humana.

Ninguém busca o bem espiritual, há indisposição para as coisas de Deus. Essa verdade não é extraída de nenhuma ciência social e nem foi elaborada por estudiosos da natureza humana. Esse é o quadro pintado pelo próprio criador. Não obstante, vemos o homem numa busca frenética por apresentar o seu próprio padrão de retidão. Vemos um zelo cego e um falso engano de que a mera conformação a padrões religiosos irá garantir aceitação. Mas muitos se esquecem que a retidão exigida por Deus em seus mandamentos não está traduzida numa conformação externa aos padrões da lei, nem no legalismo exacerbado. “Deus é um legislador espiritual”, como dizia o reformador Calvino. Nesse sentido, a justiça que Deus exige é muito mais do que mudança de vestes, vai muito além de não tocar, não provar e não manusear. Paulo em Romanos capitulo 7 conheceu sua terrível condição diante de um Deus santo, quando viu nos mandamentos uma lei que dizia que ele não deveria cobiçar. O apóstolo viu sua condição miserável, de um homem que não seria aceito com base em sua própria justiça. É como diz o salmista Davi no salmo 51: “Eis que tu ama, Senhor, a verdade no íntimo”.

A vontade divina aponta para todas as direções, atitudes e intenções dos corações humanos. Não somente uma obediência ampla e profunda nos é exigida, mas também total e irrestrita. Não basta buscar justificar-se obedecendo um ponto ou somente a um preceito da lei. É preciso cumprir todos os mandamentos. “Quem tropeça em um só dos mandamentos, se faz culpados de todos”. Logo, obediência não significa conformação legalista. Se esse é então o caminho que tanto agrada o homem, devem eles então saber que não devem jamais tropeçar em nenhum ponto da lei de Deus. Se eles querem apresentar ao criador sua justiça, que não tragam trapos, mas uma obediência completa.

Isso releva que a justiça do Deus eterno não será alcançada pelo esforço humano. O caminho buscado pelo homem é enganoso em todos os sentidos. Ele cega, embota o entendimento e traz a falsa sensação de que Deus está se agradando e estamos seguros. Portanto temos duas questões: Primeiro: os homens jamais podem cumprir a obediência que Deus exige. A segunda questão é que Deus exige retidão. Do ponto de vista puramente humano, só resta uma conclusão: jamais poderemos ser salvos. Jamais conseguiremos levantar-nos desse estado terrível, de desesperança e auto-engano. Mas, como então seremos salvos? Com que justiça seremos aceitos? Certamente não será com aquela procurada pela nossa própria força. Seremos aceitos pela justiça que Deus revelou em Cristo Jesus. Essa nos é concedida pela fé e não pelos méritos. Ela é de Cristo e não nossa

Fabiano Rocha é pastor da Primeira Igreja Batista Reformada.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Trecho da obra A Divine Cordial (“Um Tônico Divino”), de Thomas Watson,



Trecho da obra A Divine Cordial (“Um Tônico Divino”), de Thomas Watson,
publicada pela primeira vez em 1663.
.
“Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o Seu propósito.” (Romanos 8.28)

Nós vamos considerar, primeiro, quais coisas cooperam para o bem do homem piedoso, e aqui nós vamos mostrar que tanto as melhores coisas quanto as piores coisas cooperam para o seu bem. Nós começamos com as melhores coisas.

1.       Os atributos de Deus cooperam para o bem do homem piedoso.

(I) O poder de Deus coopera para o bem. É um poder glorioso (Cl 1.11, KJA), o qual é empregado para o bem dos eleitos.
O poder de Deus coopera para o bem, nos auxiliando quando estamos em apuros. “Por baixo de ti, estende os braços eternos” (Dt 33.27). O que sustentou Daniel na cova dos leões? Jonas no ventre da baleia? Os três hebreus na fornalha? Apenas o poder de Deus. Não é estranho ver um caniço quebrado crescer e florescer? Como é possível que um fraco cristão seja capaz de não apenas suportar a aflição, mas também se regozijar nela? Ele é sustentado pelos braços do Todo-Poderoso. “O meu poder se aperfeiçoa na fraqueza” (2Co 12.9).
O poder de Deus coopera para nosso bem ao suprir as nossas necessidades. Deus cria confortos quando os recursos falham. Aquele que através de corvos trouxe comida ao profeta Elias irá trazer o sustento do Seu povo. Deus pode preservar o “azeite na botija” (1Reis 17.14). O Senhor fez o sol retroceder dez graus no relógio de Acaz; assim também, quando os nossos confortos exteriores estão diminuindo, e o sol está quase se pondo, Deus frequentemente provoca um reavivamento, e faz o sol retroceder muitos graus.
O poder de Deus subjuga as nossas corrupções, “Ele pisará aos pés as nossas iniquidades” (Mq 7.19). O seu pecado é forte? Deus é mais poderoso, Ele irá quebrar a cabeça desse leviatã. O seu coração é duro? Deus irá dissolver essa pedra no sangue de Cristo. “O Todo-Poderoso fez meu coração macio” (Jó 23.16, KJV). Quando nós dizemos, como Josafá, “Nós não temos força contra esse grande inimigo”, o Senhor sobe conosco, e nos ajuda a lutar nossas batalhas. Ele corta a cabeça daqueles Golias de concupiscências que são mais forte do que nós.
O poder de Deus derrota os nossos inimigos. Ele mancha o orgulho e frustra os planos dos adversários. “Com vara de ferro os regerá e os despedaçará” (Sl 2.9, ARA). Há ira no inimigo, malícia no diabo, mas poder em Deus. Quão facilmente Ele pode quebrar todas as forças do ímpio! “SENHOR, além de ti não há quem possa socorrer numa batalha entre o poderoso e o fraco” (2Cr 14.11). O poder de Deus está em favor de Sua igreja. “Feliz és tu, ó Israel! Quem é como tu? Povo salvo pelo SENHOR, escudo que te socorre, espada que te dá alteza” (Dt 33.29).
(II) A sabedoria de Deus coopera para o bem. A sabedoria de Deus é nosso oráculo para nos instruir. Assim como Ele é o Deus Forte, é também Conselheiro (Is 9.6). Com frequência, nós estamos no escuro, emaranhados em problemas e com duvidas sobre qual caminho tomar; e é aqui que Deus vem com a luz. “Eu irei guiar-te com meus olhos” (Sl 42.8, KJV). “Olhos”, aqui, denota a sabedoria de Deus. Por que os santos conseguem ver melhor do que os mais argutos políticos? Eles preveem o mal, e se escondem; eles veem os sofismas de Satanás. A sabedoria de Deus é a coluna de fogo que vai adiante deles, e os guia.
(III) A bondade de Deus coopera para o bem do homem piedoso. A bondade de Deus é um meio de nos fazer bons. “A bondade de Deus é que te conduz ao arrependimento” (Rm 2.4). A bondade de Deus é um raio de sol espiritual que derrete nossos corações em lágrimas. “Oh”, diz a alma, “não é verdade que Deus tem sido tão bom pra mim? Por tanto tempo Ele tem me tolerado longe do inferno, como poderei entristecer Seu Espírito ainda mais? Irei pecar contra a bondade?”
A bondade de Deus coopera para o bem à medida que elas antecipam todas as bênçãos. Os favores que recebemos são os fluxos de prata que correm vem do manancial da bondade de Deus. Esse atributo divino da bondade traz dois tipos de bênçãos. Bençãos comuns: todos participamos delas, tanto os maus quanto os bons; esse doce orvalho cai sobre o cardo assim como cai sobre a rosa. Bençãos de coroação: dessas, apenas os piedosos participam. “Que nos coroou com benignidade” (Sl 103.4, KJV). Assim, os abençoados atributos de Deus cooperam para o bem dos santos.

Por Thomas Watson. Original: A Divine Cordial By Thomas Watson
Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

domingo, 27 de janeiro de 2013

A PREGAÇÃO AOS EXCLUÍDOS

Pr Edson Rosendo
Assim foram alguns de vocês. Mas vocês foram lavados, foram santificados, foram justificados no nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito de nosso Deus.1 Cor 6.11

Portinari - Serie Os Retirantes
Jesus pregou o Evangelho a todos, e isto incluía os excluídos. Por causa disso, Ele foi alvo de fortes críticas por parte dos fariseus, que de modo algum admitiam que se pregasse o Evangelho a certas classes, consideradas espúrias e totalmente destituídas da oportunidade de ouvir a Palavra de Deus e participar do culto. Os próprios discípulos estranharam que Jesus estivesse levando o evangelho a uma mulher – e samaritana!

Hoje, a igreja também enfrenta esse preconceito, na prática. Embora se diga em 100% dos púlpitos que o Evangelho é para todos e deve ser pregado a todos (entendendo-se "todos" como todas as classes também), a maioria das igrejas não cumpre essa tarefa para com os excluídos, que continuam à margem de receberem os emissários do Senhor para lhes pregar a Palavra. Raramente se sabe de crentes que pregam às prostitutas, aos ladrões, aos assassinos, aos homossexuais, só para citar algumas classes. Raramente se sabe de igrejas opulentas que pregam o Evangelho aos pobres da favela próxima ao templo. Sabe-se até de igrejas que se atiraram a essa tarefa, porém, quando os pobres da favela começaram a frequentar o culto e a receber Jesus como Salvador, tal igreja se apressou e instituiu outro horário de culto para esses "novos membros", alegando superlotação dos cultos existentes, porém, ficando evidente que o motivo era para evitar a "mistura".

Mas a Escritura não admite essa segregação. O apóstolo afirmou que na igreja de Corinto havia membros que outrora foram ladrões, homossexuais, sodomitas, impuros, mas agora não eram mais, pois experimentaram o arrependimento. Dessa forma, o Evangelho não somente deve ser pregado às classes excluídas, mas àqueles que forem se convertendo, os arrependidos. Devem ser admitidos à comunhão da igreja, pela profissão de fé e pelo batismo, pois são nova criatura e nenhum olhar de diferença deve ser praticado pela igreja para com esses que um dia viveram em pecados horríveis, mas agora vivem em santidade. A suma é que, sendo odiosos ou não os pecados em que todos vivemos outrora, todos fomos lavados, e purificados e vivemos em santidade diante de Deus e diante dos homens.

Edson   Rosendo é pastor da Primeira Igreja Batista Reformada de Caruaru - PE

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

JUSTIFICAÇÃO PELA FÉ: O CORAÇÃO DO EVANGELHO


Alderi Souza de Matos

Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.Não vem das obras, para que ninguém se glorie  Efésios 2:8-9

“A justificação é a resposta de Deus à mais importante de todas as questões humanas: Como uma pessoa pode se tornar aceitável diante de Deus? A resposta está clara no Novo Testamento, especialmente nos escritos de Paulo, como a passagem clássica de Romanos 3.21-25. Biblicamente, a justificação é um conceito jurídico ou forense, e tem o significado de “declarar justo”. É o ato de Deus mediante o qual ele, em sua graça, declara justo o pecador, isentando-o de qualquer condenação. Infelizmente, a palavra portuguesa “justificação”, originária do latim, dá a idéia de “tornar justo”, no sentido de produzir justiça no justificado. Mas o termo grego original não se refere a uma mudança intrínseca no indivíduo, e sim a uma declaração feita por Deus. Visto que não temos justiça própria e somos culpados diante de Deus, ele nos declara justos com base na expiação de nossos pecados por Cristo e na sua justiça imputada a nós. Assim, a fonte da justificação é a graça de Deus, o fundamento da justificação é a obra de Cristo e o meio da justificação é a fé. A fé é o canal através do qual a justificação é concedida ao pecador que crê; é o meio pelo qual ele toma posse das bênçãos obtidas por Cristo (como a paz com Deus, Rm 5.1). Ela não é uma boa obra, mas um dom de Deus, como Paulo ensina em Efésios 2.8-9. É o único meio de receber o que Deus fez por nós (“sola fides”), ficando excluídos todos os outros atos ou obras.

Isto significa que a justiça do crente é somente uma justiça imputada, atribuída a ele, sem incluir uma transformação moral e espiritual? Não, a justificação é seguida de uma justiça real e efetiva – tão de perto que, se não seguir, a pessoa não está justificada. Mas a justificação em si ainda não se refere a essa mudança. Deus nunca nos torna justos antes de nos declarar justos. Estando justificados pela graça e reconciliados com Deus mediante a fé, com base somente nos méritos de Cristo, estamos capacitados para crescer em santificação (Ef 2.10). Em suma, Deus não somente nos declara justos (justificação), mas posteriormente nos torna justos (santificação).

Tristemente, muitos evangélicos têm deixado de confessar de modo convicto essa verdade que está no coração do evangelho. Muitos líderes e movimentos têm voltado a insistir na prática de certas ações ou na exibição de determinadas virtudes como condição para que as pessoas sejam aceitas, perdoadas e abençoadas por Deus. Volta-se, assim, ao sistema de salvação pelas obras ou pelos méritos humanos contra o qual se insurgiram os reformadores. Com isso exalta-se o ser humano, suas escolhas, decisões e iniciativas, e se desvaloriza a Deus, sua graça, sua soberania, sua obra de expiação por meio de Cristo. Tenhamos a coragem e a coerência bíblica de reafirmar a verdade solene da justificação pela fé somente, que é, no dizer dos reformadores, o artigo pelo qual a igreja se sustenta ou cai.”

Justificação pela fé: o coração do evangelho. Artigo de Alderi Souza
de Matos, disponível em http://www.mackenzie.br/7136.html.

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

A INQUESTIONÁVEL SOBERANIA DE DEUS SOBRE SUAS CRIATURAS (RM 9)



Sl 45:9: “ai daquele que contende com o seu criador. Por acaso o barro pode dizer ao oleiro: o que você está fazendo?”.
Pr. Fabiano Rocha

A vontade de Deus revela de forma muito clara o seu caráter bem como seu atributo de autodeterminação mediante o qual Ele age de acordo com o seu eterno poder. A dimensão da vontade divina revelada em sua Palavra permite-nos reconhecer que ninguém além de Deus é o fundamento de toda a existência e de tudo o que acontece. Tudo o que se desenrola no palco da história é fruto da determinação divina. Sua vontade é soberana e livre. Seu propósito é todo abarcador, não ficando nenhum aspecto de fora. Isso se estende até mesmo à entrada do pecado no mundo, visto que até a transgressão do homem atenderá de forma perfeita ao Seu propósito eterno. A sua graça será exaltada na salvação do santos, bem como sua justiça será vindicada na condenação dos reprovados. Ninguém pode resistir à vontade de Deus, que tudo faz segundo o seu próprio conselho.

Ele tornou-se conhecido como Aquele que tem um plano soberano, cuja vontade jamais será frustrada. Seu propósito é imutável e jamais pode estar condicionado ou sujeito a qualquer coisa que esteja fora dele mesmo. A finalidade é declaradamente sua própria glória, ou seja, a manifestação da sua própria grandeza. Não há outra maneira de interpretarmos a criação ou a história se não colocarmos Deus como a causa primeira de todas as coisas. Tudo o mais é secundário. Toda a criação está a serviço dele e não Ele a serviço e capricho de sua criação. Há uma imagem muito elucidativa na Escritura que expressa muito bem essa relação de Deus com suas criaturas: a figura do oleiro e do barro. A imagem descreve Deus como o grande oleiro e suas criaturas como o barro. É Ele que modela o barro conforme a sua própria vontade e propósito. Sendo assim, Ele tem o direito sobre a sua criação. Paulo utiliza essa figura em Rm 9:20, através da pergunta: “Quem és tu o homem?”. A Escritura nos questiona no sentido de pensarmos sobre quem somos e que relação existe entre nós e Deus, através dessa ilustração.

A figura do oleiro pode até não ser muito comum para nós nos dias de hoje. Alguém pode jamais ter visto a imagem de um homem sentado diante de uma roda, trabalhando com o barro e fazendo vasos de várias espécies, para diferentes finalidades. Mas nos tempos antigos, na Palestina, essa era uma figura bastante presente. A interpretação dessa ilustração nos mostra que jamais podemos inverter as coisas, colocando o oleiro no lugar do barro, ou como fazendo como diz no Sl 45:9: “ai daquele que contende com o seu criador. Por acaso o barro pode dizer ao oleiro: o que você está fazendo?”. Quem pode questionar com arrogância os feitos de Deus? Porém, embora seja a figura muito viva e explicativa, sua interpretação reserva cuidados. Não devemos absolutizar à ilustração em detrimento da realidade. O que se quer ensinar é a distância, a disparidade que existe entre Deus e suas criaturas. Mas jamais negar que os homens são seres morais e responsáveis diante de Deus. O Senhor é soberano, tem um plano infalível que engloba todas as coisas, até mesmo o destino eterno dos homens. Ele, como oleiro, tem poder para de uma mesma massa fazer vasos para destinação honrosa e outros para destinação desonrosa, mas de nenhum modo Ele isentou os homens de suas responsabilidades para com sua vontade revelada. Deus tem poder para agir como quer sobre toda a massa caída , exercendo misericórdia sobre alguns e ira sobre outros, compadecendo-se de alguns e endurecendo outros. Mas devemos reconhecer e estar bem conscientes de que somos totalmente responsáveis diante Dele.
Fabiano Rocha é pastor da Primeira Igreja Batista Reformada de Taguatinga - DF.

domingo, 20 de janeiro de 2013

A IMPORTÂNCIA DA CONFESSIONALIDADE

 Ricardo Mendes


Na igreja local, subscrevemos a Confissão de Fé Batista de 1689 por entendermos o valor da confessionalidade para uma igreja. Primeiro, porque a confissão de fé reflete a Escritura e as doutrinas dos apóstolos, as quais devemos aprender, amar e defender como cristãos. A confissão não pode se em nada diferente da Escritura ou a ela nada acrescentar. Mas ela é um guia sistemático e pormenorizado das principais doutrinas bíblicas, que nos ajuda a compreender melhor as verdades da Escritura. 

Em segundo lugar, a confissão de fé é um documento histórico que representa a visão bíblica dos irmãos do passado, que se preocuparam em preservar a interpretação correta das sãs doutrinas bíblicas, a fim de preservar a igreja contra os erros perniciosos que sempre tentaram se infiltrar na igreja (vide as epístolas paulinas). Assim, a confissão representa uma blindagem contra as heresias condenáveis que circulam em nosso meio desde a fundação da igreja e, mormente, em nosso tempo, onde vemos o crescimento de tantas igrejas que desprezam as verdades bíblicas.

Por fim, a confissão de fé nos permite ter unidade em torno da mensagem bíblica central – Cristo e a salvação – bem como a respeito de doutrinas secundárias mas importantes para a manutenção da fé genuína. Cremos que as doutrinas sistematizadas na CFB 1689 são aquelas contidas na Escritura e organizadas de maneira didática para melhor compreensão e para facilitar o estudo sistemático na igreja, principalmente nas escolas bíblicas. Mas ela também é um guia pessoal para qualquer cristão, mesmo o mais simples, pois foge da linguagem rebuscada e teológica das teologias sistemáticas. Ressaltamos que a  confissão não substitui a leitura diária, devocional e sistemática da Bíblia como única regra de fé e prática para o cristão e como meio de graça para o desenvolvimento espiritual. Na igreja local, estamos estudando a CFB 1689 desde o ano de 2006, tendo passado por ela pela quarta vez e continuamos nesse estudo, que fica sempre mais interessante e aprofundado. Atualmente, estamos estudando o capítulo 11, sobre a justificação pela fé somente. Essas séries de estudos tem sido edificantes para a igreja, firmando-a cada vez mais na fé dos Apóstolos.

Ricardo Mendes - Primeira Igreja Batista de Taguatinga - DF

ELEIÇÃO: UM ATO SOBERANO DE DEUS



* Pr Fabiano Rocha

A eleição incondicional diz respeito à escolha de Deus feita antes da fundação do mundo, no nível do decreto de Deus, na qual ele escolhe salvar alguns dos que se perderiam, não tendo como fundamento nem méritos ou condição alguma favorável nas pessoas escolhidas. Foi uma decisão segundo o beneplácito de sua própria vontade. A fonte dessa escolha foi o infinito amor de Deus. Os discursos de Moisés no Velho Testamento, especificamente no livro de Deuteronômio, mostram de forma nítida essa verdade, que foi se descortinando de forma progressiva em toda a Escritura. Os pronunciamentos de Moisés ressaltam que Israel não teve nenhum mérito em ter sido chamado por Javé para ser o seu povo. Israel era na realidade o contrário daquilo que poderia servir de parâmetro para uma escolha com base nas qualidades do escolhido. Não era a nação mais numerosa, nem era justa, porém era débil, pequena e fraca. Mas o amor de Deus por eles foi espontâneo e gratuito, exercido apesar do demérito. Deus não somente escolheu indivíduos para tarefas especificas como também escolheu indivíduos para a salvação eterna. E isso Ele foi mostrando em toda a sua Palavra, através da escolha de um homem, através da escolha de uma nação, tudo isso apontando para uma escolha maior, que era a formação de sua igreja, do novo Israel que se formou em Cristo Jesus, através de indivíduos de toda a tribo, língua, povo e raça, que culminou em sua igreja.

Embora o homem caído e mesmo muitos cristãos professos neguem a eleição, com o falso argumento de que Deus seria injusto se assim procedesse, essa verdade jamais pode ser negada pelo simples fato de que em todas as páginas da Escritura a encontramos. E outra razão é que jamais a Bíblia nos concede brecha ou nos possibilita questionarmos os feitos e as prerrogativas do Criador, em fazer vasos para misericórdia e vasos para a ira. A Bíblia revela que Deus amou Jacó e odiou Esaú. Há porventura injustiça no Senhor por isso? Muitas pessoas até aceitam com certa naturalidade algumas doutrinas da Escritura, mas quando ouvem acerca da verdade de que Deus escolheu um povo para a salvação logo ficam coléricos. Spurgeon disse: "Parece haver um preconceito arraigado na mente humana contra esta doutrina, e embora a maioria das outras doutrinas seja recebida por crentes professos, algumas com cuidado, outras com prazer, esta parece ser mais comumente negligenciada e rejeitada".

Mas sabemos por essa doutrina que a salvação não é o pagamento de uma divida. Não é um coroamento após vencermos uma competição. Muito menos é o resultado automático de um privilégio concedido a quem nasce judeu ou quem é descendente físico de Abraão. A salvação é uma escolha graciosa, um ato de favor a quem não merece, gratuitamente demonstrado para com os membros de uma raça caída. O fato de haver escolha de alguns já é em si uma manifestação da misericórdia divina e não de injustiça. È por essa razão que essa verdade glorifica a graça gloriosa de Deus e, sobretudo, ressalta o demérito humano. Os homens em sua rebeldia contra Deus podem ranger os dentes, mas isso não mudará a verdade de que ao Senhor pertence a salvação. A decisão de resgatar e a quem resgatar pertence a Ele. O Senhor terá misericórdia de quem Ele quiser ter misericórdia, repetia o apóstolo Paulo
(Rm 9:15). Quem somos nós para contender com o oleiro? Essa escolha é um ato da soberania de Deus.
*Fabiano Rocha é pastor da Primeira Igreja Batista Reformada e Taguatinga - DF

O Evangelho é a religião da porta estreita



Pr Edson Rosendo

“Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem” Mt 7: 13- 14.

A cada dia que passa, o mundo trabalha para ter conforto. Tudo concorre para o entretenimento, para a facilidade, para o bem-estar, para a praticidade, para a funcionalidade. Empresas, técnicos, inventores, todos trabalham para prover novas formas de facilitar a vida do homem, desenvolver novas idéias que tragam ao homem o mínimo de esforço para o dia-a-dia. As ciências, as artes, a filosofia, todas concorrem conjuntamente para valorizar o homem, seu ego, seus status quo. Nada que o fira, que o desagrade, que o diminua, que o acuse, que o constranja deve ser praticado, mas deve ser evitado decididamente, sob risco de grandes perdas, inclusive judiciais. Em suma, podemos dizer que o mundo provê para o homem a porta larga, confortável, a fim de não o desgostar em nada.

É nesse contexto que entram os pregadores do Evangelho, anunciando uma mensagem de quatro mil anos, reforçada há dois mil anos por Jesus, dizendo aos homens que a porta pela qual devem passar é a porta estreita. Ora, a porta estreita é a porta do desconforto, a porta do constrangimento para o ego, a porta da renúncia dos prazeres que desagradam a Deus. A porta estreita é a porta dos acusados pelo pecado, dos quebrantados pela culpa, dos depressivos pela perda da importância pessoal. A porta estreita é a porta da quebra dos valores do mundo, da assunção de outros valores, difíceis valores, mas valores aprovados por Deus. Só passam pela porta estreita aqueles que receberam a pregação da total inabilidade humana para a salvação, da completa inutilidade das boas obras pessoais, de justiça própria, como meritórias para a justificação diante de Deus. A porta estreita é aquela em que só passam aqueles que se arrastam com a boca no pó, em grande humilhação, em choro, em clamor, em desespero por seus pecados. A porta estreita é a porta do desconforto do ego, do eu, mas é a porta que dá para a vida eterna, para a eternidade na companhia de Deus.

Outra porta não conduz à luz, pois somente Jesus é a porta que conduz à vida eterna. Ou os seus ensinamentos são cridos e vividos pelo homem ou, do contrário, este só passará pela porta larga, aquela que conduz para a perdição. E são muitos os que entram por ela.

*Edson Rosendo é pastor da Primeira Igreja Batista Reformada de Caruaru - PE